Como fazer intercâmbio é uma dúvida muito comum atualmente, tendo em vista a popularidade que esse tipo de viagem ganhou nos últimos anos. Mas por mais difícil que isso possa parecer, seguindo os sete passos listados a seguir, o planejamento de um intercâmbio se torna muito mais simples e descomplicado. Portando, confira abaixo que passos são esses.

Navegue por este artigo:

 

1. Escolher uma agência para seu intercâmbio de sucesso

O passo inicial é escolher uma agência confiável para cuidar de cada detalhe da viagem. As agências especializadas em intercâmbio são as melhores alternativas, pois possuem uma experiência bem maior no ramo do que as agências de viagem convencionais. Nas especializadas também é mais fácil de encontrar uma equipe de profissionais que esteja preparada para solucionar cada dúvida do futuro intercambista.

Nesse processo de escolha, é recomendável pesquisar sobre a reputação da agência, conversar com outras pessoas que já viajaram através dela e ler sobre a empresa na internet, por exemplo. Conversar com os profissionais da agência acerca de todo esse processo e de como fazer um intercâmbio também contribui para que o estudante se sinta seguro e confiante antes de fechar com a agência.

Esse é o caso da Optima, tendo em vista que somos especialistas em como fazer um intercâmbio, oferecendo programas em dezenas de destinos na Europa, nas Américas, na Oceania e na África. Nosso diferencial é oferecer experiências personalizadas aos nossos clientes, auxiliando em cada etapa do processo e nas escolhas que o intercambista precisa fazer sobre o destino da viagem, escola, acomodação e muito mais. Acreditamos que esse apoio do início ao fim é o fator capaz de tornar esse processo mais especial e único para os estudantes.

 

Veja a nossa série: Como escolher uma Agência de Intercâmbio

 

2. Definir o destino do intercâmbio

Pessoa apontando para um país em um mapa
Um bom começo para tomar a decisão sobre o destino da viagem é fazer uma lista com todos os países considerados interessantes

 

Quando paramos para pensar com mais detalhes sobre como fazer um intercâmbio, todos possuem alguns destinos dos sonhos, que são aqueles lugares que desejamos muito conhecer. Sendo assim, um bom começo para tomar a decisão sobre o destino da viagem é fazer uma lista com todos os países considerados interessantes para viver essa experiência. Se a lista ficar grande, não tem problema, pois serão mais opções possíveis para se encaixar aos outros requisitos.

A partir dessa lista de destinos favoritos, o futuro intercambista precisa considerar fatores como o clima, se prefere cidades mais frias ou quentes; o tamanho da cidade, se deseja fazer o intercâmbio em uma grande metrópole ou em um destino menor e mais tranquilo; e também as características de cada lugar, se prefere cidades com belezas naturais e atrações nesse sentido, ou os destinos modernos, com várias opções de lazer e entretenimento relacionados à tecnologia. Esse processo pode ser feito com o auxílio da agência de intercâmbio, que tem experiência em selecionar os destinos de acordo com a preferência dos estudantes.

Após considerar esse conjunto de fatores, alguns destinos certamente serão descartados. A partir de então, chega o momento de analisar os custos de um intercâmbio em cada um dos locais favoritos que permanecem na lista, e avaliar quais se encontram dentro do orçamento previsto do futuro intercambista. Nesse etapa, o know how da agência sobre como fazer um intercâmbio também é essencial para instruir o estudante e ajudá-lo a definir o destino da viagem.

 

3. Escolher a escola/instituição de ensino

A decisão sobre a escola depende diretamente das preferências de cada estudante em como fazer um intercâmbio. Cada modalidade, seja high school, graduação, pós-graduação ou para aprender outro idioma, entre outras, tem instituições de ensino específicas à disposição.

Muitos intercambistas se preocupam apenas com a escolha do destino da viagem, mas a definição sobre a escola também é uma das mais importantes no processo de como fazer um intercâmbio. Esse é o lugar em que os estudantes irão permanecer várias horas ao dia, e por conta disso, precisa ser um ambiente agradável, com um método de ensino que esteja de acordo com as expectativas do aluno.

Portanto, é importante pesquisar, ler o relato de outros estudantes que já frequentaram essa instituição de ensino e ver fotos sobre as instalações da escola antes de tomar qualquer decisão. Assim como nas outras etapas desse processo, os profissionais da agência de intercâmbio são os mais aptos a auxiliarem nessa definição, pois além de fazerem a ponte entre o aluno e a instituição do exterior, eles também podem dar dicas de como ter certeza em tomar a melhor decisão.

 

4. Considerar qual será a acomodação durante a estadia no exterior

Entre as escolhas de como fazer um intercâmbio, as duas opções mais comuns no quesito acomodação são a casa de família e o alojamento estudantil.

As casas de família costumam estar localizadas em bairros residenciais, o que significa que o intercambista pode ter que utilizar o transporte público para se deslocar até a sua instituição de ensino. As vantagens dessa alternativa de como fazer um intercâmbio incluem uma imersão completa na cultura do país escolhido, pois o estudante convive diariamente com a sua host family, além da segurança, pois todas as residências que recebem intercambistas são monitoradas de forma constante pelas escolas, além da economia, pois as principais refeições do dia podem ser feitas em casa.

As residências estudantis, por sua vez, costumam ficar mais próximas das escolas e são uma alternativa mais comum entre os intercambistas adultos. Nesse estilo de acomodação, existe a possibilidade de escolher entre quartos individuais ou compartilhados, sendo que as áreas comuns, como a cozinha, a lavanderia e sala de estar, são compartilhadas por todos os estudantes que residem naquele andar ou espaço.

grupo de pessoas em uma troca cultural durante intercâmbio
A troca cultural também acontece nesses alojamentos, desde que o mesmo receba estudantes de nacionalidades diferentes. Para isso, é importante contar com a ajuda da agência para ter certeza de que não terão somente brasileiros no local, o que poderia prejudicar a experiência desejada de como fazer um intercâmbio.

 

5. Comprar as passagens aéreas para realizar seu intercâmbio

passagens aéreas para realizar seu intercâmbio
Depois de definir o destino, a instituição de ensino e a acomodação, o próximo passo na lista de como fazer um intercâmbio é adquirir as passagens aéreas. Esse é um momento que exige atenção para comprar os bilhetes de ida e volta nas datas corretas, levando em consideração o tempo que é necessário chegar antes das aulas começarem, e também em relação a partida.

Sem a ajuda profissional, podem ocorrer erros em relação aos dias da viagem e até mesmo em relação ao destino final, ao aeroporto de chegada e situações correlatas. Um problema frequente é em relação as escalas, pois em voos com muitas paradas, além da viagem se tornar mais cansativa, podem ocorrer atrasos que resultam na perda da próxima conexão. Isso gera problemas e aborrecimentos em um momento que deveria ser apenas de alegria, e portanto é algo que precisa ser evitado no planejamento de como fazer um intercâmbio.

Recentemente, a mudança nas normas em relação a quantidade e ao peso das malas despachadas em voos internacionais também é um tema que gera dúvidas na compra da passagem. Os estudantes que farão intercâmbios longos e precisam levar duas malas despachadas precisam se atentar em comprar um voo que permita isso, pois caso contrário, a cobrança pelo excesso de peso costuma ser bem alta. Além disso, um erro comum é adquirir bilhetes de companhias low-cost, as quais oferecem os preços mais baixos, que permitem apenas a bagagem de mão, algo impensável para uma estadia de meses no exterior.

 

6. Conseguir o visto (se necessário) e os demais documentos burocráticos

Dependendo do destino escolhido, existem alguns países em que é necessário solicitar o visto ainda no Brasil, como Estados Unidos e Canadá, entre outros. O visto também precisa estar de acordo com a modalidade de intercâmbio do estudante, pois aqueles que pretendem estudar e trabalhar no exterior, por exemplo, dependendo do país em que vão viajar, podem ter que deixar isso claro já no momento da solicitação do visto.

Toda essa questão burocrática, assim como a aquisição das passagens aéreas, precisa ser feita com cuidado e atenção, pois qualquer erro é capaz de colocar tudo a perder. Por isso, essa é uma das etapas do processo em que a experiência das agências especializadas em como fazer um intercâmbio e planejá-lo, é mais bem-vinda. Contar com o auxílio de um profissional para reunir toda a documentação necessária e viajar com tranquilidade são ações que tornam o intercâmbio mais fácil e proveitoso.

 

7. Levar a quantidade certa de moeda estrangeira

Após finalizar os últimos detalhes do intercâmbio e ter os documentos já em mãos, é dado início a contagem regressiva até o dia da viagem. Essa última etapa do processo é quando a maioria dos intercambistas compra a moeda estrangeira que irá levar para se manter durante a estadia no exterior, algo de grande importância para a viagem.

Embora o dinheiro em espécie tenha uma taxa de tributação mais baixa, a escolha mais recomendável e segura são os cartões pré-pagos internacionais, que costumam estar disponíveis para dólar, euro e libra. Através deles, os intercambistas podem colocar uma recarga, no valor desejado, e utilizar o cartão durante a viagem com tranquilidade, sendo possível inclusive recuperá-lo em caso de perda, sem comprometer o dinheiro que está no cartão, pois o mesmo só funciona com senha.

pessoa segurando um cartão pré-pago internacional
O cartão multimoedas traz praticidade e segurança para suas viagens

 

Além de aceitos em milhões de estabelecimentos, o dinheiro que está no cartão também pode ser retirado de caixas eletrônicos no exterior, o que oferece uma praticidade ainda maior ao longo do intercâmbio. Porém, ao comprar a moeda estrangeira, uma dúvida comum entre os estudantes é: “quanto é preciso levar?”

Essa resposta depende de inúmeros fatores, como a modalidade de intercâmbio escolhida, o custo de vida de cada destino e a duração do curso feito no exterior, ou seja, não existe uma resposta padrão. Ao fechar o pacote de viagem com uma agência especializada, essa é uma das grandes vantagens, pois um serviço de atendimento personalizado é capaz de ajudar nos cálculos e oferecer estimativas mais precisas sobre quanto dinheiro é recomendável levar, de acordo com o seu tipo de intercâmbio.

Você pode se interessar: Como economizar no intercâmbio

• • •

Benefícios de um serviço personalizado

O planejamento de como fazer um intercâmbio é menos difícil do que parece, mas essa é uma tarefa cheia de detalhes e que exige tempo e paciência. Como essa é uma experiência muito importante para os alunos, tanto em esfera profissional como também para expandir os próprios horizontes e vislumbrar o estilo de vida em um novo país, o ideal é planejá-la de forma minuciosa e não deixar que erros por falta de prática no assunto aconteçam.

Errar na escolha de um destino que não combina com as preferências do aluno ou de uma escola que não alcance as expectativas desejadas, são questões que podem colocar essa ótima experiência a perder. Sendo assim, o serviço personalizado que oferecemos na Optima Intercâmbio existe justamente para auxiliar os estudantes a cada etapa, solucionar dúvidas, ajudar nas escolhas e garantir que tudo aconteça conforme o planejado.

 

Previous reading
Bray é uma cidadezinha bem tranquila | Por João Calazans
Next reading
Onde se fazer intercâmbio em inglês?