Trabalhar no exterior é cada vez mais um interesse dos brasileiros que desejam fazer intercâmbio que inclua a chance ter uma forma de remuneração no destino escolhido. Para planejar essa experiência internacional, é preciso em primeiro lugar conhecer quais modalidades de intercâmbio oferecem essa alternativa, como é o caso do Work & Study e do programa de au pair.

Em seguida, o futuro intercambista deve pesquisar mais sobre quais países permitem que os viajantes estrangeiros tenham um emprego no exterior. Com base nesse conjunto de informações, já é possível iniciar o planejamento dessa empreitada única e repleta de oportunidades.

Mas antes, é importante listar alguns países que não permitem que intercambistas trabalhem durante a estadia no destino. Os mais procurados são: Estados Unidos, África do Sul, alguns países do Reino Unido, França, Itália, Portugal e Suíça.

Navegue por este artigo:

 

Modalidades de intercâmbio para trabalhar no exterior

Os estudantes que querem unir a experiência do intercâmbio, de conhecer e explorar uma nova cultura, com a chance de trabalhar no exterior, podem escolher entre várias modalidades de intercâmbio que permitem essa associação.

Estudo e trabalho

Em primeiro lugar, existe o programa de estudo e trabalho (Work & Study), no qual além de frequentar uma escola de idiomas para se aperfeiçoar na língua, os estudantes podem trabalhar em meio-período durante a época das aulas. Uma das vantagens desse programa é que ele é oferecido em vários países de língua inglesa muito procurados pelos intercambistas brasileiras. Desse modo, ele acaba sendo uma forma de tornar a viagem mais acessível ao oferecer ao estudante a chance de trabalhar enquanto estuda.

Au pair

au pair

 

Outra alternativa é o programa de au pair, que costuma ter como pré-requisito um conhecimento intermediário do idioma e uma experiência prévia com crianças. Nessa modalidade os intercambistas geralmente precisam estudar e trabalhar cuidando das crianças tendo como benefício a estadia e as refeições por conta da família contratante.

Estágio para universitários

Há ainda o programa de estágio no exterior para universitários, recém-formados e estudantes de pós-graduação, que desejam uma experiência profissional de emprego no exterior. Encontrar vagas abertas nesse caso depende da área de atuação de cada estudante. Alguns setores que costumam oferecer vagas de emprego são administração, engenharia e tecnologia, por exemplo.
Para solucionar todas as dúvidas sobre como ter um emprego no exterior ao longo de um intercâmbio, o mais indicado é também procurar um auxílio especializado nesse assunto. Nossa equipe na Optima Intercâmbio está preparada para ajudar em todo o processo, oferecendo apoio a cada etapa, inclusive na escolha de um destino que se encaixe nessas condições. Presente em países da América, Europa, África e Oceania, a Optima existe para garantir a melhor experiência de intercâmbio possível para os nossos estudantes.

 

Países que permitem que os estudantes trabalhar no exterior

Para o programa de estudo e trabalho, que é o mais procurado atualmente pelos intercambistas brasileiros que desejam aprender inglês e trabalhar nas horas vagas, a seguir estão cinco países onde é possível conseguir um emprego no exterior.

Canadá e Inglaterra

trabalhar no canada

 

No caso do Canadá, não é possível trabalhar no país apenas com uma matrícula em um curso de idiomas. Contudo, a opção de trabalho existe para quem está fazendo um curso vocacional no país reconhecido pela Career College, que incluem cursos de diversas áreas, como TI, design, marketing, administração e muitas outras. Já na Inglaterra, as regras são parecidas. É necessário que a instituição de ensino seja reconhecida pelo governo britânico, além da comprovação do nível de inglês e que o visto solicitado seja o Tier 4.

Irlanda

A Irlanda é um dos países mais buscados pelo intercambistas brasileiros que desejam trabalhar no exterior, pois permite que os alunos trabalhem em regime de meio período, ou seja 20 horas semanais durante a época das aulas, e em regime integral, 40 horas, no período de férias.

 

Você pode se interessar: Visto de Trabalho na Irlanda: as novas permissões

 

Nova Zelândia

Também com um limite de no máximo 20 horas semanais no período das aulas, na Nova Zelândia é permitindo que o estudante trabalhe full time durante break holiday como o período de Natal e Ano Novo.

Austrália

Na Austrália, solicitar o visto de trabalho para os estudantes é bem parecido com o que ocorre na Irlanda, com a diferença de que o total de horas para quem deseja trabalhar no exterior é contado de forma quinzenal ao invés de semanal. Desse modo, durante a época das aulas é possível trabalhar até 40 horas quinzenais, o que consiste no regime de meio expediente no país.

Malta

Para atrair estudantes de fora da União Europeia, Malta é outro país que oferece um regime de estudo e trabalho bastante similar ao da Irlanda, permitindo aos estudantes trabalharem por meio período durante o ano letivo. O país possui um custo de vida relativamente baixo, atrelado com uma ótima qualidade de vida. Porém, o estudante só ter permissão de trabalho 12 semanas após iniciar os estudos.

 

Leia também: Por que estudar em Malta?

 

É preciso ser fluente em inglês para encontrar um emprego no exterior?

conversa no trabalho
O nível de proficiência em inglês é um fator importante para encontrar um emprego no exterior, mas não chega a ser um pré-requisito na maior parte dos casos. Quanto melhor for a habilidade de se comunicar no idioma, maiores são as chances de conseguir uma oportunidade trabalho dinâmica e com bons rendimentos.
Os intercambistas que possuem apenas o nível básico de inglês também podem conseguir um trabalho, mas este provavelmente será fazendo algo que não exija contato com o público, além de oferecer salários mais baixos.

 

Como é a experiência de trabalhar no exterior?

experiência de trabalhar no exterior
A experiência de trabalhar no exterior é positiva em diversos aspectos, e pode agregar muito, não apenas no currículo, mas também para a vida do intercambista. Em primeiro lugar, essa é uma forma de tornar o programa de intercâmbio mais acessível, pois com os ganhos obtidos, parte do investimento será recuperado através desse emprego no exterior.

Para os adolescentes e jovens adultos, essa também é uma ótima forma de ganhar independência e mais confiança em si mesmo. Ter a chance de trabalhar no exterior, em um ambiente onde todos se comunicam em outra língua, é o tipo de experiência que traz muitos aprendizados e que jamais será esquecida.

Por último, mas não menos importante, encontrar um emprego no exterior é uma maneira de conhecer novas pessoas no destino do intercâmbio, e inclusive formar novas amizades. Dependendo do país escolhido, ter um trabalho torna possível ao estudante que quer saber mais sobre novas experiências, conhecer contatos de várias partes do mundo, descobrir mais sobre diferentes culturas e costumes até então inimagináveis, além de outros momentos únicos e memoráveis.

• • •

Não deixe de conferir: Trabalho no exterior: dicas para você encontrar

Previous reading
Bray é encantadora | Por Tiago Porto
Next reading
Fiz muitas amizades em Dublin | Por Theo Victor Casanova