Dicas de como levar seu animal para o intercâmbio

11 min de leitura
Compartilhe: Facebook Whatsapp Twiter Linkedin

Para muitas pessoas um animalzinho de estimação faz parte da família! Tem até quem chame gatos, cachorros e outros animais de filhos! Então, quando surge a oportunidade ou necessidade de fazer uma viagem, a pergunta é: onde e com quem ficará o bichinho? Ainda mais quando o assunto é estudar fora.

Mas nesses casos, você sabia que é possível viajar com cachorro para o exterior? Assim, você poderá ter seu animal no intercâmbio com você, seja cachorro, gato ou outro PET! Para isso, é importante seguir algumas regras de transporte e de saúde de seu animalzinho.

Para te ajudar com isso, a Optima Intercâmbio reuniu algumas dicas para você incluir esse seu companheirinho na sua nova fase! Já pensou como vai ser incrível fazer um intercâmbio com seu melhor amigo do lado?

cachorro dentro de uma mala

Organizando a viagem com seu animal de estimação

Durante o planejamento e organização para a realização do intercâmbio, já deve-se incluir soluções para a questão do transporte do pet. Isto impactará diretamente nas definições de acomodação, passagem aérea e custos totais.

Isso porque nem todos países aceitam animais vindos do Brasil. Alguns como Austrália e Nova Zelândia, embora aceitem, tornam as exigências quase inviáveis. O custo para levar o animal pode chegar a mais de US$10 mil. Além do valor, os períodos de quarentena e adaptação podem deixar você até 6 meses longe do seu companheiro.

Outros países como Estados Unidos, Canadá e os que compõem a União Europeia são mais simples e relativamente mais viáveis. Os pontos fundamentais a saber como levar seu animal para o intercâmbio são:

A documentação necessária é a parte básica a ser preparada para o transporte. Cada país tem uma legislação específica para receber animais, porém alguns documentos são válidos para todos.

É exigido atestado de saúde do animal, o Certificado Zoossanitário Internacional e exame de sangue com resultado negativo para a doença raiva. Veja o passo-a-passo para preparar seu bichinho e conseguir toda a documentação correta.

1. Definir o país de destino e verificar todas as suas exigências

O primeiro passo, claro, é definir qual será o seu destino de intercâmbio. Após isso, você deverá procurar o órgão responsável por verificar as regras para importação de animais - esse é o termo técnico mais comum para o transporte internacional de PETs. No caso da Irlanda, por exemplo, o responsável é o Department of Agriculture, Food and the Marine.

2. Microchip

O microchip é um dispositivo que deverá ser implantado no animal e servirá como forma de identificação. Além disso, ele conterá todas as informações de vacinação e saúde do animalzinho. O correto é que ele seja implantado nos cães e gatos antes de tomar todas as vacinas em seu país de origem.

Para isso, você deverá procurar uma clínica ou hospital veterinário de confiança. Eles implantarão um chip tipo ISO 11784 ou ISO 11785 - os chips padrão aceitos pela Europa.

3. Vacinação

Depois de fazer o implante microchip em seu animal, é necessário colocar a carteira de vacinação dele em dia. A principal dica é verificar se ele está vacinado contra a raiva e se essa vacina está dentro do prazo de validade. Atente-se, também, ao anti-pulgas e ao vermífugo.

O processo de vacinação deve ser feito pelo menos 30 dias antes de iniciar o próximo passo.

4. Coleta de sangue

A coleta de sangue é essencial para verificar a saúde de seu animal, pois é por meio dela que será feita a sorologia da vacina antirrábica e para outras doenças. Assim, essa coleta deve ocorrer no mínimo um mês após o seu animalzinho ser vacinado. E o resultado contra a raiva precisa estar pronto pelo menos 90 dias antes da sua viagem.

Além disso, em destinos da Europa, é necessário que esse exame seja feito por uma clínica credenciada pela União Europeia. Confira quais são esses laboratórios credenciados no Brasil clicando aqui.

viajar com cachorro para o exterior - cachorro dentro de um kennel

5. Certificado Veterinário Internacional (CVI)

O Certificado Zoossanitário Internacional é concedido por um veterinário licenciado e deve ser emitido com, no máximo, 7 dias antes da sua viagem. Esse CVI comprovará a saúde de seu animalzinho e você poderá viajar com seu cachorro ou gato para o exterior!

Esse documento tem validade de 10 dias após assinado e pode demorar 48 horas para ser entregue. Por essa curta validade, você deverá fazê-lo logo antes de viajar. Por isso, também, ele deve ser refeito a cada viagem que você quiser levar seus animais de estimação.

Se você quiser mais informações sobre como emitir o CVI, consulte o site do Ministério da Agricultura e Pecuária do Brasil. Ele é o responsável por emitir o Certificado online.

Vale ressaltar também que o CVI é um documento oficial e obrigatório para viajar com seu cachorro para o exterior, bem como outros animais de estimação, como gatos. Sem o CVI o seu animalzinho não poderá embarcar junto com você para o intercâmbio.

Você deverá confirmar com a embaixada de cada país quais são as demais exigências para transporte de animais para viagens curtas ou de longa duração.

6. Passaporte para viajar com cachorro ou gato para o exterior

O Passaporte para seu PET é outro documento aceito por alguns países para validar as informações sanitárias do animal. Atenção: o passaporte não é um documento obrigatório. Ele apenas poderá substituir o CVI para determinados destinos.

Diferente do Certificado Veterinário Internacional, o Passaporte para PETs é válido para toda a vida do seu melhor amigo. Ele reúne todas as informações em um lugar só e você poderá passar menos tempo para liberar seu animal para o transporte.

7. O transporte

Cada companhia aérea pode ter suas próprias regras de transporte de animais. Por isso, se você vai viajar com cachorro para exterior - ou qualquer outro tipo de PET, é necessário consultar quais são as regras da própria companhia.

No geral, é necessário acomodar seu PET em uma caixa de transporte adequada. Normalmente, o peso para enviar seu animalzinho no bagageiro do avião é de até 45 kg. No caso de destinos na Europa, Oceania, Argentina ou África do Sul, esse peso diminui para 32 kg.

É importante que essa caixa não tenha rodinhas, possua porta de metal com travas duplas e que seja segura para o animal não prender suas patinhas ou focinho entre as ranhuras. Além disso, é necessário que o animal possua uma fonte de água disponível dentro da caixa e ela não poderá derramar.

O transporte desses animais no bagageiro do avião costuma ser cobrado à parte pela empresa aérea e você mesmo deverá providenciá-lo dias antes da saída do seu voo.

cachorro no corredor de um avião

Transporte na cabine

Para garantir a segurança de seu animalzinho, nada melhor do que ele viajar com você do lado. A maioria das empresas aéreas oferecem a possibilidade de viajar com cachorro ou gato para o exterior na cabine.

Para que o seu PET viaje na cabine, ao seu lado, também é importante que ele esteja bem acomodado em uma caixa apropriada. Novamente, cada empresa aérea possui regras diferentes, consulte a sua para saber como levar seu melhor amigo ao seu lado durante o voo.

É importante verificar, também, se a raça de seu animalzinho - seja cachorro ou gato - é permitida na cabine. O mesmo vale para transporte no bagageiro da aeronave. Raças braquicefálicas e/ou perigosas costumam ser proibidas.

Outras dicas de como levar seu animal para o intercâmbio

Sempre há a dúvida a respeito do sofrimento dos animais durante viagens longas. Vale pensar alguns procedimentos para prepará-lo antecipadamente. Saber como levar seu animal para o intercâmbio será importante para tal preparação. Bichos com até 10 quilos de peso poderão ser transportados embaixo da poltrona. O animal será alocado em um kennel, com tamanho que permita um giro de 360° em pé. Para que ele se adapte a este espaço, duas semanas antes da viagem, retire cama e cobertores do animal. Coloque estes itens dentro do kennel para que ele se acostume. No caso de animais maiores, o tipo de caixa tem a mesma exigência de tamanho, baseado no giro de 360° em pé, e será levado em compartimento específico do avião para animais. É importante, antes da compra da passagem, reservar com a companhia aérea o transporte de bichos de estimação.

gato dentro de um kennel para viagem no exterior

Em geral, as empresas aceitam até 3 animais por voo. Caso seu animal seja um cão guia, você poderá levá-lo fora do kennel e ao lado da poltrona, na primeira fileira.

O estresse e o efeito biológico sobre o animal durante uma viagem de avião também exigem cuidados. A alimentação deverá ser feita no máximo 3 horas antes do embarque. O bichinho poderá ter enjoos caso se alimente muito próximo da decolagem. Durante possíveis escalas, caso o animal esteja na cabine, passeie com ele. Será bom para diminuir a pressão. Há aeroportos, como em Toronto, que oferecem espaços apropriados para animais fazerem suas necessidades e brincarem durante o tempo de espera.

Nem todas as companhias aéreas aceitam transportar animais, como o caso da Delta. Entre as com maior preparo para este tipo de transporte estão a Lufthansa, KLM, British Airlines e Air Canada. Estas possuem empresas parceiras para viabilizar o transporte de animais. A Optima Intercâmbio, através do setor aéreo da empresa, pode fornecer todas as informações necessárias a respeito da compra de passagens aéreas e como levar seu animal para o intercâmbio dentro do avião ou no setor de carga viva.

O pós viagem

Após ter conseguido levar seu companheiro junto para a experiência do intercâmbio, alguns sintomas de readaptação podem ser notados. Durante as duas primeiras semanas o animal pode aparentar estar atordoado, perdido. A alimentação pode demorar alguns dias para voltar ao normal. Demora-se um pouco para que se crie nova rotina e o comportamento do bichinho volte a ser como antes. Portanto, não se preocupe nestes primeiros dias com mudanças. Caso o animal continue estranho após as duas primeiras semanas, procure um veterinário para uma consulta.

pessoas andando com cachorros em uma rua europeia

A Optima deseja que sua experiência de intercâmbio seja perfeita. E sabemos que ficar longe de seu animalzinho de estimação pode ser uma tarefa difícil. Para evitar custos com o processo e transporte do seu animal, e todo desgaste que pode causar a ele, durante e após a viagem, o ideal é deixá-lo com uma pessoa da família. Mas se deixar seu animalzinho for uma missão impossível, estamos à disposição para ajudar com informações e orientações dos procedimentos necessários para levar seu companheiro com você!

Animais
Compartilhe: Facebook Whatsapp Twiter Linkedin
Gostou deste artigo?
Notificação

Assine nossas notificações para se manter atualizado sobre nossas promoções!

2020 © Optima Ltda. CNPJ 12.350.272/0001-09. Empresa brasileira

Políticas de uso

e

Termos de Privacidade
Voltar ao topo